SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS
DE LAGES E REGIÃO
17/11/2016 - 7,6 mil são suspeitos de receber Bolsa Família irregular em SC, diz MPF
17/11/2016 - Estabelecimento de critérios para Descomissionamentos na Caixa
17/11/2016 - Lucro das empresas de capital aberto sobe 14% no 3º trimestre
17/11/2016 - Sindicato interdita dois andares do CAT
17/11/2016 - COE conquista avanços em reunião com Bradesco
17/11/2016 - Setor de energia solar promete criar 100 mil novos empregos no Brasil até 2020
17/11/2016
Setor de energia solar promete criar 100 mil novos empregos no Brasil até 2020


Sistemas de geração distribuída conectados à rede elétrica serão responsáveis por 80% dos empregos criados no setor de energia solar (Ana Carolina Benelli)
 
O cenário otimista para o setor de energia solar no Brasil deverá ter efeito positivo no mercado de trabalho. Nos próximos quatro anos, cerca de 100 mil novos empregos diretos e indiretos devem ser gerados nesta área em todo o país. A estimativa é do Portal Solar, que reúne centenas de prestadores de serviços brasileiros especializados em energia fotovoltaica.
 
De acordo com o site, cerca de 5 mil novas empresas serão criadas até 2020 no país para atender ao crescimento da demanda por sistemas de energia solar. Rodolfo Meyer, diretor do Portal Solar, comenta que o maior responsável pelas contratações serão os pequenos empresários, que empregarão 80 mil trabalhadores para fazer frente ao avanço da geração distribuída. A maior parte das novas vagas será voltada aos profissionais de nível técnico. A geração centralizada, que é realizada por meio de grandes usinas com energia contratada em leilões do governo federal, deve criar aproximadamente 20 mil empregos.
 
“Instaladores e técnicos devem ocupar a maior parte das vagas a serem abertas, com uma média salarial de R$ 3 mil e R$ 4 mil, respectivamente. Os outros postos de trabalho serão destinados a engenheiros e equipes administrativas desses negócios, além dos trabalhadores envolvidos indiretamente”, explica Meyer.
 
"Instaladores e técnicos devem ocupar a maior parte das vagas a serem abertas, com uma média salarial de R$ 3 mil e R$ 4 mil, respectivamente. Os outros postos de trabalho serão destinados a engenheiros e equipe administrativa do negócio solar, além dos trabalhadores envolvidos indiretamente."
RODOLFO MEYER  diretor do Portal Solar

 

O prognóstico positivo para o setor é confirmado pela Absolar (Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica). Segundo Rodrigo Lopes Sauaia, presidente da instituição, “são gerados de 25 a 30 empregos a cada megawatt instalado por ano. Esses trabalhadores atuam na fabricação de equipamentos, projetos de engenharia para instalação de sistema, na parte logística, além dos profissionais de venda e administrativos que alimentam todo o ecossistema da energia solar”.
 
Contribuíram para o boom no setor o aumento nas tarifas de energia elétrica, que na média nacional teve aumento de mais de 50% no valor final da fatura em 2015, além do barateamento da tecnologia fotovoltaica, que na última década caiu cerca de 80%, comenta o presidente da Absolar. São esses motivos que o levam a crer que “em 2030 a fonte solar fotovoltaica se tornará uma das formas mais baratas de gerar energia elétrica no mundo, ocupando 8% da matriz energética brasileira”, complementa Sauaia.
 
"Em 2030 a fonte solar fotovoltaica se tornará uma das formas mais baratas de gerar energia elétrica no mundo, ocupando 8% da matriz energética brasileira."
RODRIGO LOPES SAUAIA  presidente da Absolar

 
Empurrão 
A perspectiva que já era positiva ficou ainda melhor com a Resolução Normativa 687 da Aneel que entrou em vigor em março deste ano e flexibilizou a geração doméstica de energia, diz Rodolfo Meyer. “A geração condominial, compartilhada e o autoconsumo vão permitir novos modelos de negócio, aumentando o acesso da população a essas tecnologias”, explica.
 
Segundo o Portal Solar, a maioria desses novos negócios serão criados de forma descentralizada, de acordo com a demanda da região. “Desta forma, a geração de empregos não estará presa somente nos limites geográficos das capitais, promovendo o desenvolvimento em todo território brasileiro”, ressalta Meyer.
 
O Brasil está numa fase de amadurecimento do seu setor solar, finaliza Rodrigo Sauaia. “De 2014 a 2015, aumentou em 320% o número de instalações de geração distribuída. Um crescimento expressivo se compararmos que durante esse período a economia brasileira recuou mais de 3% no PIB”, diz otimista.
 
Até setembro deste ano foram registrados 5.040 sistemas de geração distribuída conectados à rede elétrica do país. De acordo com projeção da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), até 2024 o número deve saltar para 1,2 milhão de unidades consumidoras no país que vão gerar a própria energia.
Fonte = Gazeta do Povo
 
  • GABRIELA ZANETTI | 01/06

  • ENORI POZZO JUNIOR | 03/06

  • THIAGO PATRICK SANTOS DE JESUS | 03/06

  • GUSTAVO ADLER RODRIGUES DA COSTA | 04/06

  • DAIANE O CANDIDO | 05/06

  • GABRIELA STRAUBEL MARTELO | 06/06

  • MARLOS OLIVEIRA PALMA | 10/06

  • INES DA SILVA HONOFRE | 12/06

  • EMERSON WEBER | 15/06

  • JULIANA MICHELIN RAMOS | 22/06

  • HALYSON FERNANDO DOS SANTOS OLIVEIRA | 22/06

  • DEBORAH LARA MORAIS | 23/06

  • FERNANDO MARIO B ORTOLI | 24/06

  • GUILHERME CARLOS DE SOUZA BROERING | 24/06

  • LEONARDO LEÃO FERTIG | 25/06

  • RICARDO DREON | 27/06



BASE TERRITORIAL
FILIADO A

LAGES, Anita Garibaldi, Abdon Batista, Bom Jardim da Serra, Campo Belo do Sul, Celso Ramos, Urupema, São Joaquim, Curitibanos, Otacílio Costa, Santa Cecília, Correia Pinto, São José do Cerrito, Ponte Alta

Todos os Direitos Reservados 2012
SEEB LAGES E REGIÃO | Desenvolvido por Getsystem
Rua Baependi, 183 - CENTRO, LAGES/SC CEP 88502-140