SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS
DE LAGES E REGIÃO
05/02/2019 - ITAÚ LUCRA R$ 25,7 BILHÕES EM 2018, ALTA DE 3,4% EM UM ANO
05/02/2019 - BANCO DO BRASIL DÁ INÍCIO AO BANCO DE HORAS A PARTIR DE HOJE
05/02/2019 - 5 REGRAS MAIS DURAS QUE PODEM ENTRAR NA REFORMA DA PREVIDÊNCIA
05/02/2019 - Sergio Moro apresenta projeto que endurece combate ao crime e altera 14 leis
05/02/2019 - IR NA FONTE É A MAIOR EM 10 ANOS, APESAR DE DESEMPREGO
05/02/2019
IR NA FONTE É A MAIOR EM 10 ANOS, APESAR DE DESEMPREGO


Os taxistas Jorge Mourão e João Batista reclamam que o salário é sugado pelo governo para bancar corrupção

A cada ano, mais de meio milhão de trabalhadores entram nas faixas de contribuição, por conta da defasagem na tabela. Por isso, a Receita Federal recolheu 2,77% mais em 2018 do que no ano anterior, a segunda alta seguida

O Brasil tem 12,2 milhões de pessoas desempregadas e, mesmo assim, a arrecadação de tributos no contracheque dos trabalhadores é a maior em 10 anos, resultado da defasagem da tabela do Imposto de Renda (IR), que inclui mais de 500 mil contribuintes a cada ano nas garras do Leão. De acordo com a Receita Federal, o Imposto de Renda Retido na Fonte (IRRF) recolheu, em 2018, R$ 120,2 bilhões, o que corresponde a uma alta real — descontada a inflação — de 3% em comparação com 2017, quando somou R$ 117 bilhões. É o segundo ano consecutivo de aumento na arrecadação do governo federal.
 
Para os analistas, além da maior eficiência da Receita em cruzar informações dos contribuintes, a defasagem da tabela do IR tem importante papel nessa contradição. Na prática, as pessoas estão pagando mais tributos com a desatualização dos valores de cobrança, explica o presidente do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação, João Eloi Olenike. “O que ocorre é uma apropriação indébita do governo, porque a Receita arrecada mais quando a tabela do IR não é atualizada e há uma defasagem muito grande. Isso faz com que o dinheiro, em vez de ficar com o trabalhador para gastar do jeito que achar certo, fique com o governo, que gasta mal”, ressalta.
 
Segundo cálculos do Sindicato Nacional dos Auditores-Fiscais da Receita Federal do Brasil (Sindifisco Nacional), a defasagem na correção da tabela do Imposto de Renda de 1996 a 2018 chega a 95,46%. Com as contas públicas no vermelho desde 2014, o governo não tem interesse de corrigir a tabela. A sensação da população, no entanto, é a de que os impostos corroem o salário, mas os serviços públicos não tem a qualidade desejada.
 
O taxista João Batista, 73 anos, diz que não vê aplicação correta dos impostos pagos e sente que seu dinheiro é “sugado”. “O que dá esperança é a mudança de governo. Eu espero resultado daqui para frente. Nos governos passados, parei de confiar, porque todos estavam sempre tirando dinheiro de mim”, afirma. O colega Jorge Mourão, 71, diz que os políticos usam o dinheiro público “por meio da corrupção”.
 
Para a funcionária pública aposentada Sarah Barbosa, 68, é um “grande absurdo” o que precisa ser declarado. Contribuinte há 50 anos, ressalta que “nunca viu retorno” do que pagou ao governo. “Acho isso caótico. Estou na faixa de 27,5%, e tudo é desperdiçado. Nunca vi retorno”, comenta. Com a má aplicação dos recursos, Sarah lamenta que precisa recorrer a serviços particulares. “Pago o plano de saúde e a escola do meu neto, quando os impostos deveriam garantir boa educação, saúde, segurança. Não temos nada disso”, diz. Moradora da Asa Sul, ela acredita que, se o dinheiro fosse direcionado corretamente, a segurança seria melhor. “Não dá para sair à noite e fazer uma caminhada”, reclama.
 
Na lanterna
A carga tributária brasileira atingiu 32,43% do Produto Interno Bruto (PIB) em 2017, segundo a Receita. Estudo do IBPT aponta que o Brasil ocupa a última posição no ranking de 30 nações no Índice de Retorno de Bem-Estar à Sociedade (IRBES). O país fica atrás de nações como Uruguai, Argentina e Grécia. A Irlanda ocupa a primeira colocação.
 
O presidente do IBPT explica que, quanto maior a renda, mais a pessoa paga de imposto. “Como há um estacionamento da tabela, já que a última alíquota é de 27,5%, quem ganha R$ 8 mil é colocado no mesmo patamar daqueles que recebem R$ 150 mil ou R$ 200 mil. Isso é injusto. A tributação deveria ser progressiva”, declara.
 
Além de a tabela do IR estar defasada, os especialistas avaliam que a tributação é feita de forma distorcida. Para atualizar a tabela, o presidente do Sindifisco Nacional, Kleber Cabral, entende que é preciso fazer uma mudança gradual. “A correção (como está) faz com que as pessoas passem a pagar mais e acaba gerando uma arrecadação maior”, ressalta. A entidade avalia que quase todos os contribuintes seriam afetados positivamente com a correção da defasagem, porque mudariam de faixas de tributação. Apesar disso, o processo teria que ocorrer de forma gradual para não impactar a arrecadação.
 
A equipe econômica do atual governo estuda reduzir o número de alíquotas pagas por pessoas físicas, que hoje englobam cinco faixas (veja no quadro). Os técnicos avaliam a possibilidade de criar duas alíquotas, sendo uma de 15% ou 20% para a maioria dos contribuintes, e outra, de 25% aos que têm renda maior. Além disso, a faixa de isenção aumentaria dos atuais R$ 1.903. Durante a campanha, foi aventada a possibilidade de um rendimento mensal de até R$ 5 mil ficar livre de IR.
 
Desigualdade social
O professor da Fundação Getulio Vargas (FGV) e tributarista Linneu de Albuquerque Mello ressalta que apenas 10% da população ganha mais de R$ 5,7 mil por mês, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. “Se a proposta do governo passar, só essa parcela da população pagaria imposto de renda. Isso revela o tamanho da nossa desigualdade social”, diz. O presidente do Sindifisco, Kleber Cabral, se reunirá amanhã com o ministro da Economia, Paulo Guedes, e o secretário da Receita Federal, Marcos Cintra, para tratar sobre medidas tributárias.
 
Regras de 2019 saem este mês
A Receita Federal ainda não definiu as regras para a declaração do Imposto de Renda 2019, o que deve ocorrer até o fim de fevereiro. O período para os contribuintes acertarem as contas com o Leão começa em 1º de março e se estende até 30 de abril. Em junho, sai o primeiro dos sete lotes de restituição previstos.
Fonte = Correio Braziliense
 
  • LUIZ HENRIQUE RODRIGUES COSTA | 02/07

  • GRAZIELLY MIGUEL DE SOUZA | 03/07

  • OLIZANDRO A. KOVALSKI | 03/07

  • IVONETE ALVES CARNEIRO | 04/07

  • DENISE CRISTINA MEDEIROS | 04/07

  • LUCIANE SILVA HANDESSEM | 05/07

  • RODRIGO TRDAPALLI NUNES | 06/07

  • VINICIUS GUILHERME PINTO | 07/07

  • ALEXANDRE DINIZ HENINGER | 12/07

  • ROBERTO CARLOS DA SILVA PAES | 12/07

  • WERNER WULFF JUNIOR | 15/07

  • GUSTAVO DA ROCHA | 18/07

  • ELIANE PIRES ENCKEMAIER | 20/07

  • MARIA T. MALDANER GHIORZI DE ARRUDA | 21/07

  • SALVIO CORDOVA PEREIRA | 21/07

  • RICARDO DO AMARAL SOUZA | 22/07

  • SERGIO RICARDO KREMER | 23/07

  • PABLO REGIS WALTRICK | 26/07

  • PRISCILA BORGES F. DAS MERCES | 28/07

  • LARISSA ZANOTTO CRUZ | 29/07



BASE TERRITORIAL
FILIADO A

LAGES, Anita Garibaldi, Abdon Batista, Bom Jardim da Serra, Campo Belo do Sul, Celso Ramos, Urupema, São Joaquim, Curitibanos, Otacílio Costa, Santa Cecília, Correia Pinto, São José do Cerrito, Ponte Alta

Todos os Direitos Reservados 2012
SEEB LAGES E REGIÃO | Desenvolvido por Getsystem
Rua Baependi, 183 - CENTRO, LAGES/SC CEP 88502-140