SINDICATO DOS EMPREGADOS EM ESTABELECIMENTOS BANCÁRIOS
DE LAGES E REGIÃO
07/02/2019 - BANCOS DISTRIBUEM R$ 37 BI EM DIVIDENDOS
07/02/2019 - Renúncias previdenciárias vão tirar R$ 54 bi dos cofres do INSS em 2019
07/02/2019 - ITAÚ PAGARÁ PLR SOMENTE DIA 1º DE MARÇO
07/02/2019 - GUEDES ATACA CONCENTRAÇÃO BANCÁRIA, MAS TEMA FICA FORA DA META DE 100 DIAS
07/02/2019
Renúncias previdenciárias vão tirar R$ 54 bi dos cofres do INSS em 2019

Esse valor equivale a um quarto do rombo da Previdência no ano passado, que foi de R$ 195,2 bilhões.

Enquanto pretende endurecer as regras de aposentadoria e pensão, o governo prevê uma renúncia de R$ 54,56 bilhões com isenções previdenciárias neste ano. Em 2018, as renúncias a micro e pequenas empresas, entidades filantrópicas e exportadores agrícolas cortaram em R$ 46,3 bilhões a arrecadação do Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) – o equivalente a um quarto do rombo da Previdência no ano passado, que foi de R$ 195,2 bilhões.
 
Em 2018, as empresas do Simples Nacional concentraram a maior parte das renúncias previdenciárias, no valor de R$ 25,8 bilhões. Já as companhias enquadradas como Microempreendedor Individual (MEI) responderam por outros R$ 2,2 bilhões. Ambas as categorias pagam carga tributária reduzida.

As entidades filantrópicas foram beneficiadas com R$ 11,1 bilhões em 2018. No grupo estão incluídos hospitais e universidades privadas, que cobram pelos serviços e são responsáveis pela maior parte da renúncia. O relator da reforma da Previdência, Arthur Oliveira Maia (DEM-BA), chegou a declarar em 2017 que proporia o fim desses benefícios, mas a medida não chegou a ser incluída no texto.
 
Segundo o secretário de Previdência do Ministério da Economia, Leonardo Rolim, as isenções têm de ser analisadas pelo retorno que trazem à sociedade. “Se não houvesse o Simples, será que aquelas empresas estariam contribuindo para a Previdência ou sonegando?”, ressalta. Ele diz, porém, que há situações da lei que não são “economicamente justificáveis”.Por isso, a solução seria rediscutir a legislação. Rolim defende que esse debate seja feito de forma ampla, na reforma tributária. Para ele, é uma alternativa mais eficaz do que discutir caso a caso, como hoje.

A proposta de reforma da Previdência do ex-presidente Michel Temer incluía, por exemplo, o fim da isenção previdenciária sobre exportações agrícolas, o que devolveria aos cofres do INSS cerca de R$ 7 bilhões ao ano. A medida caiu em meio à “desidratação” da Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

A equipe do presidente Jair Bolsonaro indicou que pretende aproveitar a proposta de Temer para acelerar a tramitação da reforma no Congresso.

Reações
A definição de novas regras poderia, portanto, acabar com essa isenção, mas teria de enfrentar os exportadores. “A Constituição diz que não se deve exportar impostos. Hoje, a cotação das commodities está em um patamar mais elevado, mas isso pode mudar. E é importante fomentar exportações”, diz o presidente da Associação de Comércio Exterior do Brasil (AEB), José Augusto de Castro.

Castro lembra que o setor é um dos poucos que tem crescido de forma mais dinâmica nos últimos anos. “Não podemos criar o risco de se ter o que ocorre no setor de manufaturados, que é um gigantesco déficit (na balança comercial)”, afirma.

A maior parte das companhias brasileiras faz parte hoje do Simples Nacional – o que gera questionamentos entre técnicos do governo. Hoje, empresas com faturamento de até R$ 4,8 milhões podem fazer parte dessa categoria. Há quem considere esse limite muito alto em comparação a outros países. Procurado, o Sebrae disse não considerar o Simples como um tipo de renúncia fiscal.

O presidente do Fórum Nacional das Instituições Filantrópicas (Fonif), Custódio Pereira, diz que é um “equívoco” falar em renúncias para essas entidades, uma vez que elas são imunes a tributos pela Constituição. Segundo cálculos do Fonif, a cada R$ 1 que o governo abre mão, o setor devolve R$ 7 em serviços à sociedade.

“O setor é importante e está em locais que o Estado não consegue estar”, explica Pereira. Ele também rebate críticas sobre a cobrança de mensalidades por unidades educacionais, mesmo com a isenção, dizendo que esse dinheiro é necessário para manter atividades e bolsas concedidas por essas instituições.
 
Fonte = O Estado de Minas

 
  • LUIZ HENRIQUE RODRIGUES COSTA | 02/07

  • GRAZIELLY MIGUEL DE SOUZA | 03/07

  • OLIZANDRO A. KOVALSKI | 03/07

  • IVONETE ALVES CARNEIRO | 04/07

  • DENISE CRISTINA MEDEIROS | 04/07

  • LUCIANE SILVA HANDESSEM | 05/07

  • RODRIGO TRDAPALLI NUNES | 06/07

  • VINICIUS GUILHERME PINTO | 07/07

  • ALEXANDRE DINIZ HENINGER | 12/07

  • ROBERTO CARLOS DA SILVA PAES | 12/07

  • WERNER WULFF JUNIOR | 15/07

  • GUSTAVO DA ROCHA | 18/07

  • ELIANE PIRES ENCKEMAIER | 20/07

  • MARIA T. MALDANER GHIORZI DE ARRUDA | 21/07

  • SALVIO CORDOVA PEREIRA | 21/07

  • RICARDO DO AMARAL SOUZA | 22/07

  • SERGIO RICARDO KREMER | 23/07

  • PABLO REGIS WALTRICK | 26/07

  • PRISCILA BORGES F. DAS MERCES | 28/07

  • LARISSA ZANOTTO CRUZ | 29/07



BASE TERRITORIAL
FILIADO A

LAGES, Anita Garibaldi, Abdon Batista, Bom Jardim da Serra, Campo Belo do Sul, Celso Ramos, Urupema, São Joaquim, Curitibanos, Otacílio Costa, Santa Cecília, Correia Pinto, São José do Cerrito, Ponte Alta

Todos os Direitos Reservados 2012
SEEB LAGES E REGIÃO | Desenvolvido por Getsystem
Rua Baependi, 183 - CENTRO, LAGES/SC CEP 88502-140